Descaso da Dersa com moradores em torno do Rodoanel revolta vereadores

Política

A Comissão Especial de Estudos-CEE da Câmara de Guarulhos que avalia os impactos de obra do Rodoanel na região dos bairros Haroldo Veloso e Cidade Seródio se reuniu na manhã desta quinta-feira (19) no plenário da Casa com o biológo Guilherme Bagattini, gerente técnico da Secretaria Municipal de Meio Ambiente.  Ele deu detalhes sobre a participação da Prefeitura na aprovação das obras.

O trecho alvo da CEE é uma alça de acesso ligando o aeroporto ao Rodoanel, passando em elevado construído por aterro. Assim, os bairros devem ficar divididos ao meio, prejudicando a mobilidade daquela população. De acordo com Bagattini, coube à Prefeitura de Guarulhos analisar o projeto e apontar necessidades de compensação ambiental e outras obras que diminuíssem possíveis prejuízos para a população. “A aprovação do projeto, que é uma obra do governo do Estado, é de total responsabilidade da Cetesb e da Dersa”, explicou o biólogo, referindo-se às estatais paulistas que cuidam respectivamente do meio ambiente e das estradas. Segundo ele, no entanto, o projeto da alça de acesso não passou pela análise da Prefeitura.

A vereadora Janete Lula Pietá (PT), presidente da CEE, fez uma série de perguntas, que, pela limitação da abrangência da Prefeitura neste caso, não puderam ser respondidas por Guilherme Bagattini. “Por que não foi construída uma alça elevada, para facilitar a mobilidade das pessoas?”, questionou. Outras dúvidas que ficaram sem resposta se referiam às alternativas para o deslocamento das pessoas, como passarelas, à possibilidade de construção de um viaduto pela Prefeitura e ao pagamento de imóveis desapropriados.

Fábio Vicente Mangea, administrador regional do bairro São João, lembrou que um trecho do Rodoanel passou no meio de um campo de futebol com a promessa não cumprida de que uma nova cancha seria construída em outro lugar. “Temos que cobrar a Dersa agora, depois que as obras terminarem não vai ter como exigir nada da empresa”, alertou. O representante da Associação dos Moradores do Bairro Haroldo Veloso, José Alberto dos Santos, conhecido como Russo, reclama que a Dersa não dá atenção às necessidades da comunidade: “Não nos apresentam os projetos, não cumprem os compromissos, é só mentiras que recebemos em troca”, criticou.

O vereador Moreira (PTB) não se conforma com esta situação: “Não sou contra o Rodoanel, é uma obra importante, mas estamos falando de bairros antigos, onde vive uma população que já adquiriu identidade, uma cultura própria, não pode ser tratada desta forma, com tamanho descaso”. Também membro da CEE, Luís da Sede (PRTB) acrescentou: “Sabemos que nossa comissão é de estudos, tem suas limitações, mas temos que tomar algum tipo de providência, senão não acontece nada, vai ficar do jeito que está”.

Janete Pietá disse que a CEE deve fazer nas próximas semanas uma visita ao local e também à Dersa. Não é descartada a possibilidade de se organizar uma audiência pública na região. “Não temos o poder de convocar representantes de nenhum dos órgãos envolvidos, a não ser que a Comissão se transforme em investigadora, mas essa é uma situação que vamos avaliar no futuro”, comentou. A CEE tem até o dia 20 de maio para concluir o relatório final dos trabalhos. Se houver necessidade, esse prazo pode ser prorrogado por mais 20 dias. Participaram ainda da reunião os vereadores Wesley Casa Forte (PSB), Toninho da Farmácia (PSD) e Acácio Portella (PP).

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *