Guarulhos tem o menor desperdício na distribuição de água na Grande SP

Cidade

A cidade de Guarulhos registrou o menor índice (18,13%) de desperdício na distribuição de água por vazamentos da Região Metropolitana de São Paulo (RMSP). No ranking nacional, levando-se em consideração as cem maiores cidades do país, o município está na quarta posição, atrás apenas de Santos (17,25%), Limeira (15,57%) e Palmas (13,05%). Os dados são do Instituto Trata Brasil, com base no Sistema Nacional de Informações sobre Saneamento (SNIS).

A média de perda de água em todo o país é de 38,53%, mais do que o dobro do verificado em Guarulhos, portanto. Na Grande SP, o maior índice de perda é verificado em Itaquaquecetuba, com 49,3%. Já na totalidade entre as cem maiores cidades, Porto Velho se destaca negativamente, com 70,88% de desperdício por vazamentos.

Por sua vez, a média de perdas no Estado de São Paulo é de 36%, praticamente o dobro da guarulhense. Mesmo na comparação com os Estados que menos desperdiçam água Guarulhos se destaca. No Tocantins e em Goiás, o índice de perda por vazamentos é de 30%, contra 31% no Rio de Janeiro e 32% no Mato Grosso. Já o Estado em pior situação é o Amapá, com 70% de desperdício.

Já na comparação com o último dado disponível em países desenvolvidos Guarulhos segue bem posicionado. No Reino Unido e na Bélgica, por exemplo, o índice de perdas por vazamento é de 20,6%, contra 20,5% na China, 16,3% na Coreia do Sul e 12,8% nos Estados Unidos. Ainda, algumas das principais cidades do mundo possuem perdas maiores do que Guarulhos, tais como Barcelona (19%), Oslo (22%), Chicago (24%), Seul (25%), Londres (28%), Roma (38%), Montreal (40%) e Dublin (40%).

Em maio deste ano, o Saae Guarulhos começou a instalar equipamentos em 27 bairros da cidade que irão, entre outras vantagens, diminuir a perda de água por vazamentos. No total serão 30 equipamentos que promoverão uma economia anual de 228 milhões de litros de água cada. Até o final do ano todos estarão funcionando, o que significa que Guarulhos deverá diminuir ainda mais o índice de perdas por vazamentos nos próximos anos.

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *