Votar: Democracia direta e participativa

Colunas

“Todo poder emana do povo”, mas tal poder esta nas mãos dos partidos políticos e, cabe-lhes realizar o projeto de Estado e Nação; o povo detentor do poder Constitucional, é mero coadjuvante, quando não um desclassificado expectador, a ser corrompido na compra do voto, seja por programas sociais de médio prazo, seja por compra direta em boca de urna no dia das eleições.

Agora, em outubro do corrente, temos outra oportunidade, para fazer valer nossa vontade, pessoal e intransferível, um preceito do Estado Democrático de Direito, aporte basilar da nossa Democracia. O voto universal, o qual tem o valor e o poder manifesto de exercer tal poder popular. Mas será mesmo?

Não podemos esquecer que a Constituição, preceitua, que nossa democracia é representativa em sua essência, com pouca condição de o ser Direta e Participativa, senão vejamos, um deputado com 15 mil votos, pode sozinho alterar a Constituição através duma Proposta de Emenda Complementar (PEC), enquanto o povo não tem esta possibilidade, pois não se faz iniciativa popular para PEC, nisso já vemos a distorção e a falácia da expressão que basila a democracia pátria.

Porém, mesmo diante desta realidade restritiva e sabotadora do preceito democrático, não devemos desanimar, mas sim escolher, no universo ofertado, aqueles candidatos/as que melhor representam nossos interesses como cidadãos/ãs e sociedade. Quem pensa com o umbigo, só vê seu dedão e ainda assim tropeça.

Precisamos repensar nossa Carta Magna, para contemplar nossa nova realidade sociopolítico e econômica, pois urge dar o sentido lato da democracia e apropriar ao povo do que lhe é pertinente no tecer da democracia, para de fato valer sua premissa: O poder que vem do povo. E que ele o exerça numa perspectiva direta e participativa.

O voto é um caminho, mas fiscalizar e acompanhar os eleitos faz complemento desta construção cidadã. Seremos a nação que quisermos, quem a faz é cada um dos natos deste solo mãe gentil.  O eleito apenas deve expressar esta vontade e a realizar dentro do tempo do mandato lhe outorgado no voto dado.

As eleições estão ai, não jogue seu voto no lixo. Vote consciente. E candidatos Ficha Limpa.

Marlon Lelis de Oliveira, MTB 0085378/SP

Advogado, psicólogo e coordenação estadual do MCCE.

WhatsApp: 11-970472187

E-mail: dr.marlonlelis@gmail.com

 

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *