Cadastro positivo é bom para todos

Cidade

No último dia 13, o Senado aprovou projeto de lei que prevê a inclusão obrigatória dos consumidores no cadastro positivo. Apesar de a palavra obrigatória trazer aquele sentido de algo ruim, forçado, nesse caso é o oposto. Será muito benéfico para todos. Explico a seguir.

O cadastro positivo valoriza o consumidor que é bom pagador, que honra com seus compromissos em dia. E a valorização se dará com a possibilidade de redução da taxa de juros para aqueles cuja boa fama os precede, mas que às vezes deixa de financiar uma compra devido às altas taxas cobradas pelo mercado.

Mas não beneficiará só esse consumidor. O instrumento aprovado pelos senadores, que mantiveram as emendas feitas pela Câmara dos Deputados, e que agora vai para sanção presidencial, também mira aquele consumidor que muitas vezes não pode comprovar renda, mas que paga as contas de sua casa em dia, como luz, água e telefone, por exemplo. Suas contas em dia farão com que seja incluso no cadastro positivo.

E para as empresas também será uma boa. Elas poderão ir ao mercado comprar com taxas menores e, consequentemente, oferecer seus produtos a preços mais convidativos e também terão mais segurança na hora em que fizerem uma venda, pois saberão que estarão tratando com um bom cliente. Ou seja, será mais difícil levar calote.

A economia brasileira só tem a ganhar com o cadastro positivo. E já no curto prazo! Com o impacto na redução das taxas de juros, certamente a economia nacional vai responder positivamente e, assim, ganhará mais um impulso para voltar a crescer.

Vale lembrar aqui que o debate sobre o cadastro positivo começou em 2013, com a mobilização feita pela Federação das Associações Comerciais do Estado de São Paulo (Facesp), sob o comando de Alencar Burti, e que a Associação Comercial de Guarulhos participou desde o primeiro momento.

Essa vitória do avanço do cadastro positivo no Congresso Nacional, e que esperamos se concretize com a sanção do presidente Jair Bolsonaro, não é só da classe empresarial, mas do Brasil, pois é um instrumento que visa o desenvolvimento do país.

William Cotrim Paneque
Presidente da Associação Comercial de Guarulhos – ACE-Guarulhos

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *