Seja sempre o melhor, sendo você mesmo

Colunas

Tenho recebido e-mails sobre questões que poderiam ou não serem feitas em entrevistas de empregos. Bom, este seria um assunto muito vasto e a ética também nos força a respeitar os profissionais que entrevistam candidatos a uma vaga de emprego. Mas preocupado com meus leitores venho falando com Recrutadores e Selecionadores que não gostam, ou costumam revelar seus segredos, e a grande maioria revela que o importante não seria a pergunta que fazem, mas as respostas que ouvem dos candidatos e principalmente como é dada tais respostas a pergunta feita.

Tenha em mente sempre a frase de Eduardo Galeano, que disse assim: “Quando tínhamos todas as respostas, mudaram as perguntas”.

Com o mercado de trabalho cada vez mais carecido de mão de obra qualificada, com uma oferta de salários cada vez mais baixos só irá sobreviver aquele(s) que estiverem melhor preparados.

No passado, houve aquilo que poderíamos classificar como contratação com exigência básica. Ou seja, um candidato com requisitos mínimos para exercer a tarefa da qual o cargo exigia. O funcionário era treinado (internamente) para desempenhar sua atividade, e alcançar o resultado pretendido pela empresa.

Falo muito sobre mudanças que acontecem, e que ainda virão. Com esse tema não seria diferente. A mudança vem acontecendo na forma de trabalhar em todos os setores.

Cada vez mais os profissionais de Recursos Humanos estão se preparando para fazerem a pergunta certa para à pessoa certa. Esses profissionais não querem errar na contratação, eles também irão responder pela a escolha que vierem a fazer no futuro. Estão sempre  em busca de profissionais cada vez mais qualificados, e como bem sabemos para fazê-lo terão que criar um processo onde o melhor aparecerá naturalmente. Assim como todos eles também querem ser conhecidos pela excelência em seus trabalhos.

Ora bolas, se eles se preparam, por qual motivo você também não está preparado?

Você até poderá vender o seu peixe no inicio se for preparado para responder as perguntas que lhe forem feitas. rondas

Mas e a pratica?

Você poderá garantir que na pratica fará tudo que disse na entrevista?

Lembre-se que em sua entrevista você está vendendo uma solução para um problema existente na empresa. Coloque-se no lugar do entrevistador, líder ou proprietário da empresa.

Sendo assim, estejam preparados para responderem qualquer pergunta vinda daquele que as fizerem. Não estou dizendo para decorarem todas as respostas possíveis para determinadas perguntas. E sim, mostrá-los que está realmente pronto para solucionar o problema deles com alternativas, caminhos que poderão serem explorados.

Particularmente, acredito que o melhor caminho ainda seja o bom e velho conhecimento. Poderia falar mais sobre o trabalho que realizo com meus coachees, dos quais procuro prepará-los para algo maior que uma entrevista de emprego, algo que vai além de olhar para o entrevistador. Como Coach, tenho o dever de abrir o horizonte para que o Coachee busque o Conhecimento necessário para a atividade que pretende exercer, obtendo Habilidade do Conhecimento adquirido. Ou seja, praticarem aquilo que aprenderam para torná-los cada vez mais hábeis e principalmente esquecerem o medo e colocarem tudo em Ação (Atitude).

                        As atitudes que vierem fazer parte de sua rotina de trabalho poderão defini-lo como profissional, seja bom ou mau.

Comece fazendo a seguinte pergunta:

  • você se contrataria?
  • Por qual motivo?

Aquele profissional que está selecionando está muito bem preparado para perguntar qualquer coisa pertinente a função que o cargo exige que seja feito. Mas tenha certeza que perguntas que levariam a uma reflexão mais profunda também devem ser respondidas. Tais perguntas podem ser:

  • Como você espera contribuir com a empresa?
  • O que você sabe sobre a empresa?
  • Por qual motivo você acredita que seria uma boa contratação?
  • Quais são seus pontos fortes?
  • Quais são seus pontos fracos?
  • Qual seria seu conhecimento sobre o cargo que deseja exercer?
  • Onde gostariam de estar em 5 anos?

 

Ainda com Eduardo Galeano, Somos o que fazemos, mas somos, principalmente, o que fazemos para mudar o que somos.

Marcio Sobrinho

Coach e Especialista em Desenvolvimento Pessoal

www.administradores.com.br/u/marciosobrinho

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *