Guarulhos intensifica vigilância para casos suspeitos de coronavírus

Cidade

Diante da emergência por doença respiratória causada pelo novo agente infeccioso coronavírus (2019-nCoV), conforme casos detectados na cidade de Wuhan (China), a Prefeitura de Guarulhos enviou representantes da Secretaria de Saúde para participar de reunião com representantes do Ministério da Saúde (MS) e da Anvisa (Agência Nacional de Vigilância Sanitária) na última sexta-feira (24). O encontro aconteceu no Aeroporto Internacional (Cumbica), responsável pelo desembarque de 70% dos chineses que chegam ao Brasil, segundo informações do MS.

Por isso, o Aeroporto Internacional de Guarulhos foi o primeiro a realizar esse encontro com especialistas, que reforçaram as orientações da Organização Mundial de Saúde (OMS) para que as equipes de vigilância dos estados e municípios, bem como quaisquer serviços de saúde, fiquem alerta aos casos de pessoas com sintomatologia respiratória e que apresentam histórico de viagens para áreas de transmissão de coronavírus nos últimos 14 dias.

Um novo encontro dos entes está marcado para o próximo dia 4 no aeroporto. Nesta quarta-feira (29), enquanto o prefeito Guti e a secretária de Saúde, Ana Cristina Kantzos, estavam em Brasília para tratar do tema, técnicos da Vigilância Epidemiológica Municipal se reuniram com profissionais da rede de urgência e emergência, Atenção Básica, Laboratório de Saúde Pública e demais departamentos da secretaria para discutir fluxo de vigilância e laboratorial, equipamentos de proteção individual, atendimento dos casos suspeitos e manejo clínico dos pacientes.

As ações de vigilância em todo o país seguirão as diretrizes do Boletim Epidemiológico do Ministério da Saúde, documento que a Secretaria de Saúde já está divulgando para todos os serviços da rede. Ele aborda todas as questões relacionadas às notificações, atendimento dos casos suspeitos, medidas de prevenção, avisos sonoros aos viajantes e orientações gerais aos trabalhadores dos aeroportos.

Definição de caso suspeito

De acordo com o Boletim Epidemiológico do Ministério da Saúde, a definição de casos suspeitos deve levar em conta os seguintes critérios clínicos e epidemiológicos: febre e sintomas respiratórios (como tosse e dificuldade para respirar) e histórico de viagem à área com transmissão local nos últimos 14 dias antes do início dos sintomas, ou ainda contato próximo como caso suspeito para coronavírus nos últimos 14 dias antes do início dos sintomas.

Outros critérios clínicos e epidemiológicos que devem ser utilizados para a definição de caso suspeito são febre ou sintomas respiratórios (por exemplo, tosse e dificuldade para respirar) e contato próximo com caso confirmado em laboratório para coronavírus nos últimos 14 dias.

Medidas a serem adotadas

A OMS não recomenda medidas específicas de saúde para os viajantes, incluindo a triagem de entrada. No entanto, em caso de pessoas com sintomas sugestivos de doença respiratória (a bordo ou nos terminais de passageiros) e com histórico de viagem à área de transmissão, deve-se comunicar o Centro de Operações de Emergência (COE) para que as medidas de controle e resposta sejam aplicadas.

Vale destacar que o Aeroporto Internacional de Guarulhos já possui um plano de contingência para doenças infecciosas, o mesmo que será utilizado em caso suspeito de coronavírus. Dentre as diretrizes do plano está a recomendação de comunicação imediata à torre de comando de pessoas com sintomas da doença, antes mesmo da aeronave pousar, para o preparo do atendimento no solo assim que o avião aterrissar, não sendo necessária a interrupção do tráfego aéreo.

Coronavírus

De 31 de dezembro de 2019 a 3 de janeiro de 2020, um total de 44 pacientes com pneumonia de etiologia desconhecida foram notificados à OMS pelas autoridades nacionais da China. Durante esse período, o agente causal não foi identificado. As autoridades chinesas identificaram um novo tipo de coronavírus, que foi isolado em 7 de janeiro de 2020.

Em 11 e 12 de janeiro de 2020, a OMS recebeu mais informações detalhadas, da Comissão Nacional de Saúde da China, de que o surto estava associado a exposições em um mercado de frutos do mar na cidade de Wuhan. Os casos suspeitos devem ser notificados de forma imediata (até 24 horas), de acordo com o fluxo operacional do aeroporto.

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *