18.3 C
Guarulhos
quinta-feira, setembro 24, 2020

A oitava economia do mundo é um país pobre, de gente pobre que necessita de atenção em todas as áreas básicas: saúde, educação, assistência social.

É difícil compreender a correlação entre políticas econômicas e políticas sociais. Parece que o entendimento mais comum é de que as políticas sociais estariam submetidas às políticas econômicas, delas dependendo para serem pensadas, planejadas e aplicadas. No entanto, penso que o raciocínio deveria ser exatamente o contrário. A partir das políticas sociais necessárias, essenciais e até óbvias, é que deveriam partir as políticas econômicas. As políticas sociais, e consequentemente as econômicas, deveriam existir para atendimento da população mais vulnerável, aquela que realmente precisa do Estado.

O Estado é feito de pessoas. Dentro de um país, estados ou municípios o que existe são seres humanos, indivíduos, famílias, e muitos deles sobrevivem unicamente de políticas sociais, visto que o Brasil é, em grande extensão, um país de miseráveis, famintos e desempregados. A oitava economia do mundo é um país pobre, de gente pobre que necessita de atenção em todas as áreas básicas: saúde, educação, assistência social.

De acordo com o IBGE, em janeiro de 2019, 54.8 milhões de brasileiros viviam abaixo da linha da pobreza. ¼ da população nacional tem renda domiciliar por pessoa inferior a R$406 por mês, segundo critérios adotados pelo Banco Mundial. Desse total, 13,5 milhões de pessoas sobrevivem com até R$145 mensais.

Cabe então aos que formulam as políticas econômicas, no caso o Governo Federal, pensar e planejar políticas públicas com o olhar voltado para os desfavorecidos, para os vulneráveis que não têm acesso aos mercados de trabalho e tão pouco meios de pensar em uma carreira, desenvolvimento ou produção de renda.

Cabe ao Estado, aqui em sentido amplo, através das políticas econômicas, estruturar e fortalecer as políticas sociais, oferecendo educação que insira os jovens no mercado, que os inspire a acreditar que é possível crescer, procurar oportunidades melhores, se desenvolver. Garantir acesso à saúde, preventiva, eletiva, emergencial, garantir a vida. Fornecer saneamento básico para diminuir o índice de procura pelo sistema de saúde público. Compreender que o Sistema Único de Assistência Social não existe para manter o pobre na pobreza, mas se trata de um sistema muito bem elaborado, justo e sensível às necessidades do povo brasileiro, que visa garantir que algumas pessoas possam minimamente comer, entre outras necessidades básicas.

Das demandas econômicas, o próprio “mercado” se encarrega de garantir. As grandes corporações não necessitam do apoio e do aporte do Estado para que se mantenham. Continuam a crescer independentemente de quem decide quais são as políticas que serão implementadas em determinado período.

O Índice de Liberdade Econômica, uma classificação que avalia o grau de liberdade econômica de 186 países, foi criado em 1995 através de uma parceria entre o The Wall Street Journal e um think tank conservador norte-americano conhecido como Heritage Foundation. O índice considera doze categorias de “liberdade econômica”: nos negócios, no comércio, liberdade fiscal, de intervenção do governo, monetária, de investimentos, financeira, de corrupção, do trabalho, e direitos de propriedade. Com dados de 2018, o Brasil ocupava o 153º lugar nesse ranking, atrás, inclusive, de Serra Leoa e Ucrânia.

Com regras fiscais básicas, tributação justa e liberdade econômica, o país continuará crescendo como é de sua vocação. E, pensando políticas públicas a partir das sociais, o Estado contribui para o fortalecimento e desenvolvimento de seu povo.

Marianne Antunes

Advogada

 

Em alta

Em Sessão Extraordinária, vereadores deliberam três projetos de Lei

A Câmara de Guarulhos realizou na manhã desta quinta-feira (24) Sessão Extraordinária que deliberou três projetos de Lei. Destaque para o PL 2053/2020 (Professor Jesus,...

Caixa já liberou R$ 2,5 Bilhões do auxílio emergencial extensão para beneficiários do Bolsa família

  A CAIXA realiza nesta quinta-feira (24/09) o pagamento de R$ 428,2 milhões referente à primeira parcela do Auxílio Emergencial Extensão para 1,6 milhão de...

Parques de Guarulhos serão reabertos aos finais de semana com restrições

Após meses de restrição devido às medidas de contenção do novo coronavírus, a população de Guarulhos vai poder voltar a utilizar as áreas verdes...

Entra em vigor lei que regula partilha do ISS entre municípios

O presidente Jair Bolsonaro sancionou, sem vetos, o projeto do Congresso Nacional que define os critérios para a redistribuição do Imposto sobre Serviços (ISS)...

Notícias relacionadas

Em Sessão Extraordinária, vereadores deliberam três projetos de Lei

A Câmara de Guarulhos realizou na manhã desta quinta-feira (24) Sessão Extraordinária que deliberou três projetos de Lei. Destaque para o PL 2053/2020 (Professor Jesus,...

Caixa já liberou R$ 2,5 Bilhões do auxílio emergencial extensão para beneficiários do Bolsa família

  A CAIXA realiza nesta quinta-feira (24/09) o pagamento de R$ 428,2 milhões referente à primeira parcela do Auxílio Emergencial Extensão para 1,6 milhão de...

Parques de Guarulhos serão reabertos aos finais de semana com restrições

Após meses de restrição devido às medidas de contenção do novo coronavírus, a população de Guarulhos vai poder voltar a utilizar as áreas verdes...

Entra em vigor lei que regula partilha do ISS entre municípios

O presidente Jair Bolsonaro sancionou, sem vetos, o projeto do Congresso Nacional que define os critérios para a redistribuição do Imposto sobre Serviços (ISS)...

DEIXE UMA RESPOSTA

Por favor digite seu comentário!
Por favor, digite seu nome aqui